SÃO PAULO: 465 ANOS DA CIDADE – O QUE FAZER PARA COMEMORAR

Listamos 18 opções de passeios e 3 eventos para aproveitar o dia 25/01 em grande estilo. Confira

 

A cidade que nunca dorme comemora mais uma primavera. No dia 25/01, São Paulo completa 465 anos. Para os cidadãos apaixonados pela metrópole listamos passeios culturais, e outros que revelam os atributos da capital para comemorar a data em grande estilo. Confira abaixo e boa festa!

 

museu da imigração (Foto: Divulgação)

Museu da Imigração (Foto Divulgação)

 

1 Museu da Imigração

A instituição reabriu em maio de 2014, com o prédio devidamente restaurado. Agora, há elevadores, loja de presentes, locais para oficinas, café, biblioteca e até wi-fi no jardim. Por dentro, a antiga Hospedaria de Imigrantes recebeu painéis interativos com imagens de bairros de São Paulo e vídeos de depoimentos de imigrantes. Em um dos espaços, o visitante pode ler cartas escritas no passado. Há ainda exposições temporárias e o lugar conta com programação diversificada. Dali sai um passeio de maria-fumaça, com duração de aproximadamente 25 minutos, aos sábados, domingos e feriados, das 10h30 às 16h. O acesso ao vagão da década de 1950 custa R$ 10, e ao de 1920, R$ 15.

R. Visconde de Parnaíba, 1.316, Mooca, tel. (11) 2692-1866 | museudaimigracao.org.br
De terça a sábado, das 9h às 17h; aos domingos, das 10h às 17h.

 

 

Fundação Ema Klabin (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

Fundação Ema Klabin (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

 

 

2 Fundação Ema Klabin

A casa-museu, onde a empresária e colecionadora Ema Gordon Klabin morou, conta com um acervo pessoal de mais de 1.500 obras. Segundo o curador da fundação, Paulo de Freitas Costa, há trabalhos de grande valor histórico, como os de Tarsila do Amaral e Di Cavalcanti. A visita é imperdível não só para os que apreciam arte,  mas também para os amantes da arquitetura. A construção, com cerca de 900 m², foi projetada nos anos 1950 pelo engenheiro-arquiteto Alfredo Ernesto Becker, e o jardim é assinado por Roberto Burle Marx. O espaço promove palestras, encontros com artistas, exposições, cursos e, nos fins de semana, eventos musicais. Confira a programação pelo site.

R. Portugal, 43, Jardim Europa, tel. (11) 3062-5245 | emaklabin.org.br | De terça a sexta-feira, há visitas monitoradas às 14h, 15h, 16h e 17h; aos sábados, das 14h às 17h.

 

 

 

Cerca de 7.500 desenhos de Lina Bo Bardi e 17 mil fotografias fazem parte do acervo, que inclui ainda móveis, documentos, objetos e obras de arte (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

Cerca de 7.500 desenhos de Lina Bo Bardi e 17 mil fotografias fazem parte do acervo, que inclui ainda móveis, documentos, objetos e obras de arte (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

 

Cerca de 7.500 desenhos de Lina Bo Bardi e 17 mil fotografias fazem parte do acervo, que inclui ainda móveis, documentos, objetos e obras de arte (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

 

 

3 Casa de vidro de Lina Bo Bardi

Localizada em um terreno de 7 mil m², coroado por espécies bem conservadas da vegetação brasileira, no Morumbi, a Casa de Vidro foi construída em 1951 pela arquiteta Lina Bo Bardi para ser a residência dela e de seu marido, Pietro Maria Bardi. O espaço hoje abriga o Instituto Lina Bo e P. M. Bardi que guarda o acervo de obras de arte reunido ao longo dos anos pelo casal e os esboços originais de algumas peças criadas por Lina. Além disso, há no local exposições, encontros e palestras. Confira a programação de todos os eventos no site. Para visitar o local, é necessário agendar horário pelo e-mail visita@institutobardi.com.br.

 

R. General Almério de Moura, 200, Vila Tramontano, tel. (11) 3743-3875 | institutobardi.com.br | De segunda a sexta, das 9h às 15h; fechado aos sábados, domingos e feriados.

 

A casa, construída na primeira metade do século 20, já vale o passeio. Omuseu conta com acervo de móveis e objetos (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

A casa, construída na primeira metade do século 20, já vale o passeio. Omuseu conta com acervo de móveis e objetos (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

 

 

4 Museu da Casa Brasileira

A mansão, construída há 69 anos, virou museu em 1972. Hoje, além de exposições temporárias, abriga coleção de peças do mobiliário nacional e internacional produzidos desde o século 17. Entre elas estão a poltrona Mole, de Sergio Rodrigues, e a cadeira Girafa, de Lina Bo Bardi. A programação oferece palestras, oficinas e debates relacionados ao universo da casa e do design. Aos domingos, há apresentações musicais pela manhã. A cada 15 dias, às quartas-feiras, o museu fica aberto para visitação noturna gratuita, das 18h às 22h. No local, há o restaurante Santinho, da chef Morena Leite.

 

Av. Brigadeiro Faria Lima, 2.705, Jd. Paulistano, tel. (11) 3032-3727 | mcb.org.br | De terça a domingo, das 10h às 18h.

 

De quase todos os ambientes da casa, projetada por Oswaldo Arthur Bratke, em 1950, é possível avistar o belo jardim (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

De quase todos os ambientes da casa, projetada por Oswaldo Arthur Bratke, em 1950, é possível avistar o belo jardim (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

 

 

5 Fundação Maria Luisa e Oscar Americano
A fundação localiza-se na antiga propriedade do empresário e engenheiro Oscar Americano (1908-1974) e sua esposa, Maria Luisa (1918-1972), no bairro do Morumbi. Desde 1980, seus acervos arquitetônicos, paisagísticos e artísticos ficaram acessíveis ao público. Ao visitar o local, além de conferir de perto a coleção de pinturas, móveis, prataria e tapeçaria, não deixe de passear pelo jardim, com 75 mil m², que conta com cerca de 30 espécies de plantas. Em meio à área verde, é servido um chá da tarde. Aos domingos, são realizados recitais e concertos pagos, além de apresentações gratuitas de corais.

 

Av. Morumbi, 4.077, Morumbi, tel. (11) 3742-0077 | fundacaooscaramericano.org.br | De terça a domingo, das 10h às 17h30.

 

A construção de linhas retas causou polêmica na época e figura hoje como a primeira com conceitos modernistas (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

A construção de linhas retas causou polêmica na época e figura hoje como a primeira com conceitos modernistas (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

 

 

6 Casa Modernista

O arquiteto de origem ucraniana Gregori Warchavchik (1896-1971) projetou a construção de linhas retas em 1928. Como se tratava do primeiro exemplar da arquitetura moderna no Brasil, a morada de Gregori e de sua mulher, Mina Klabin, causou burburinho na São Paulo daquele tempo. A obra era impactante, já que o estilo vigente da época era o belle époque, com seus ornamentos, cores vivas e curvas sinuosas. Atualmente, apenas um dos cômodos da casa está ocupado, com um conjunto de cadeiras para os visitantes assistirem a documentários históricos em um telão. Antigamente, do terraço, era possível ter uma ampla visão da terra da garoa. Hoje, o que se vê dali é a vegetação tropical que tomou conta do jardim.

 

R. Santa Cruz, 325, Vila Mariana, tel. (11) 5083-3232 | museudacidade.sp.gov.br/casamodernista | De terça a domingo, das 10h às 18h.

 

Pintado em três tons de rosa, o prédio foi coberto por uma mistura de vidro, cristal, areia e pó de mica (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

Pintado em três tons de rosa, o prédio foi coberto por uma mistura de vidro, cristal, areia e pó de mica (Foto Ilana Bar/Editora Globo)

 

 

7 Edifício Martinelli

O edifício cor-de-rosa na rua São Bento foi construído pelo comendador italiano Giuseppe Martinelli (1870-1946), imigrante que em pouco tempo acumulou um respeitável patrimônio. A construção tem 30 andares e 130 metros de altura, e foi o primeiro arranha-céu da América Latina – na época, um prédio de dez andares já era considerado muito alto. Em 2010, foi criado o programa de visitas ao terraço de 1.200 m², com visão de 360 graus da capital paulista. Segundo a administradora do espaço, Lia Piccolo, o mirante recebe cerca de 300 visitantes por dia, e o passeio, em pequenos grupos, ocorre a cada 30 minutos.

 

Av. São João, 35, Centro, tel. (11) 3104-2477 | prediomartinelli.com.br | De segunda a sexta, das 9h30 às 11h30 e das 14h às 16h; aos sábados, das 9h às 15h; aos domingos, das 9h às 13h.

 

Solar da Marquesa de Santos (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

Solar da Marquesa de Santos (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

 

 

8 Solar da Marquesa de Santos

A casa de Domitila de Castro Canto e Melo, mais conhecida como Marquesa de Santos, fica próximo ao Pátio do Colégio. É do século 18 e mantém características originais. O piso superior, por exemplo, revela paredes de taipa de pilão e pau a pique. Há móveis e objetos bem conservados, além de trilhas musicais que convidam o visitante a sentir a atmosfera do passado. O estilo neoclássico da fachada é incorporado à paisagem do Centro. Segundo a curadora, Heloisa Barbuy, o visitante pode tirar suas próprias conclusões acerca daquela figura feminina dos tempos imperiais e suas várias facetas ao percorrer o local.

 

R. Roberto Simonsen, 136, Sé, tel. (11)
3105-6118 | museudacidade.sp.gov.br/solardamarquesadesantos | De terça a domingo, das 9h às 17h

 

Muitos objetos que remetem à Revolução Constitucionalista de 1932 podem ser encontrados no interior da casa (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

Muitos objetos que remetem à Revolução Constitucionalista de 1932 podem ser encontrados no interior da casa (Foto: Ilana Bar/Editora Globo)

 

 

9 Casa Guilherme de Almeida

Inaugurada em 1979, a casa-museu abriga o acervo particular de um dos mentores do movimento modernista brasileiro: Guilherme de Almeida (1890-1969). Ali, é possível apreciar as coleções de obras de arte do poeta e jornalista, muitas delas presentes enviados por grandes artistas brasileiros, como Anita Malfatti e Tarsila do Amaral. Além da biblioteca do escritor, o diretor do museu, Marcelo Tápia, indica outro atrativo da casa: a mansarda, onde está preservado o estúdio do autor. O local realiza atividades culturais e exposições de curta duração em suas vitrines. Atualmente, promove a mostra Guilherme de Almeida – Esboços, de desenhos produzidos por ele.

 

R. Macapá, 187, Sumaré, tel. (11) 3673-1883 | casaguilhermedealmeida.org.br | De terça a domingo, das 10h às 18h. Atividades culturais e educativas: de terça a sexta, das 19h às 21h; aos sábados e domingos, das 10h às 19h.

 

igrejas-de-sao-paulo (Foto: Reprodução/Arquidiocese de São Paulo)

Catedral da Sé (Foto: Reprodução/Arquidiocese de São Paulo)

 

 

10 Conheça 10 igrejas com arquitetura incrível

A maioria dos templos importantes está concentrada no centro da cidade, região onde foram construídas as primeiras instalações dos jesuítas em 1554. A Arquidiocese de São Paulo listou 10 igrejas na capital paulista que valem a visita, seja para rezar ou apenas se deslumbrar com a beleza delas.

 

ilustra-sp (Foto: Fernando Volken)

Passeios a pé por São Paulo (Ilustração Fernando Volken)

 

11 Caminhadas culturais

Se você não quer se aventurar em passeios por São Paulo sozinho ou nem sabe por onde começar listamos 8 opções de Walking Tour, modelo de negócio que oferece passeios a pé pela cidade, para você conhecer um outro lado da maior cidade do país.

 

Queijadinha hipercremosa da Dalí Delicatessen (Foto: Henrique Peron / Divulgação)

Queijadinha hipercremosa da Dalí Delicatessen (Foto Henrique Peron / Divulgação)

 

 

12 Três lugares para comer uma ótima sobremesa em São Paulo 

Queijadinhas hipercremosas são a especialidade da Dalí Delicatessen. O doce de abóbora cremoso é nova sobremesa do Dalva e Dito. E os quitutes da terrinha enchem as vitrines da Padaria da Esquina.

 

A Padoca do Maní é um dos endereços badalados no bairro de Pinheiros, às manhãs de sábado e domingo (Foto: Mosteiro de São Bento/ Reprodução)

A Padoca do Maní é um dos endereços badalados no bairro de Pinheiros, às manhãs de sábado e domingo (Foto Mosteiro de São Bento/ Reprodução)

 

13 Cinco lugares para um delicioso brunch

Em Nova York é tradição: aos domingos, o brunch é servido entre o horário tradicional de café da manhã e almoço, contendo uma mistura das duas refeições. Em São Paulo, é comum visitar padarias aos finais de semana, mas os bruches se tornam cada vez mais comuns.

 

Casa do Povo. Um dos amplos salões do edifício abriga o projeto Ateliê Vivo, que oferece oficinas gratuitas de corte e costura (Foto: Alexandre Disaro /  Editora Globo)

Casa do Povo. Um dos amplos salões do edifício abriga o projeto Ateliê Vivo, que oferece oficinas gratuitas de corte e costura (Foto Alexandre Disaro / Editora Globo)

 

 

14 Oito endereços para explorar o bairro Bom Retiro 

Considerado um dos principais bairros de comércio da cidade, o Bom Retiro foi um fator fundamental no desenvolvimento da capital paulistana: segundo informações do Arquivo Histórico de São Paulo, a área alcançou essa fama porque era pela ferrovia Santos-Jundiaí e pela estação da Luz, vizinhas ao bairro, que chegavam as mercadorias para abastecer toda a cidade. Para te ajudar a percorrer os melhores lugares da região, elaboramos um guia com oito destinos imperdíveis.

 

Selvvva (Foto: Alexandre Disaro /  Editora Globo)

Selvvva (Foto: Alexandre Disaro / Editora Globo)

 

 

15 Oito endereços para quem ama plantas

São Paulo pode ser muito caótica, mas também conta com endereços que nos ajudam a trazer a natureza um pouco mais para perto de nossa rotina. É o caso destes oito endereços tomados por plantas.

 

Regional_Centro (Foto: Flare Fotografia)

Foto do Rolê (@role_sp), coletivo formado por 22 fotógrafos que atuam no underground paulista há 12 anos. Valendo-se de um método de produção único e horizontal, o grupo tem produção vasta e eclética, primordialmente sobre a cena urbana.Nos últimos anos, também passou a atuar em projetos específicos, como coberturas jornalísticas e eventos de interesse público, urbanístico e social (Foto Flare Fotografia)

 

 

16 Mais de 20 lugares imperdíveis no centro de São Paulo

Arte, gastronomia, passeio ao ar livre e compras são prazeres garantidos ao se explorar a área central de São Paulo. Some a isso patrimônios históricos e você preencherá vários dias de roteiro. Frequentadores da região indicam 22 locais imperdíveis.

 

Piscina da área externa do restaurante Skye (Foto: Divulgação)

Piscina da área externa do restaurante Skye (Foto Divulgação)

 

 

17.  Seis lugares para aproveitar o fim do horário de verão

Amado por uns e odiado por outros. É verdade que não é nada fácil se adaptar ao horário de verão, mas ele também tem seu lado bom. Afinal, quem não gosta de curtir um pôr do sol? Então sem lamentações, deixe esse rancor de lado e aproveite para programar um passeio para admirar o céu em degradê.

 

tea connection brasil (Foto: Reprodução)

Tea Connection Brasil (Foto: Reprodução)

 

 

18. Bem acompanhado: confira 17 lugares pet friendly em São Paulo

Sair de casa e deixar o pet sozinho é de partir o coração, não é? Mas saiba que dependendo do lugar que você for em São Paulo, seu bichinho de estimação não só é bem-vindo, como também tem certas regalias.

 

19 Eventos
Confira abaixo três eventos para visitar durante o dia 25 de janeiro:

1 Exposição inédita celebra os 90 anos do Mickey

2 Exposição “Arquitetura para cães” na Japan House

3 Alex Atala anuncia 2ª edição do Fruto, evento que debate alimentação de qualidade

 

 

Fonte: REVISTA CASA E JARDIM